Notícias / Opinião

23 de Abril de 2018
Exploração política da sociedade brasileira

Tempos atrás, o cineasta José Padilha asseverou que, na base do sistema político brasileiro, opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas, formadas por fornecedores de bens e serviços ao Estado e grandes partidos políticos. Na sua visão, essa estrutura age em todas as esferas do setor público: Judiciário, Legislativo e Executivo, em todas as instâncias (União, estados e municípios).No Executivo, esse mecanismo atua por intermédio de superfaturamento de obras e serviços prestados ao Estado. No Legislativo, opera via edição de normas legais que concedem vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas. Segundo Padilha, essa articulação existe à revelia da ideologia e, grosso modo, teria viabilizado a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.O tempo, com os desdobramentos da Operação Lava Jato, mostrou que as afirmações do cineasta estavam corretas e, pior, a rapinagem ao erário público foi devastadora, levando o país à trágica paralização econômica que assistimos estarrecidos.

Estamos convencidos de que, com o reforço da mobilização popular, a Lava Jato desmontará toda essa rede de corrupção. E mais: que uma reforma política será capaz de remover e prevenir, no futuro, que esquemas tão sofisticados e poderosos de corrupção venham a ocorrer. É muito importante que membros da categoria médica se disponham a participar mais da política!

Pesquisa recente do Datafolha, encomendada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), revelou que a profissão médica atualmente ocupa o primeiro lugar em confiança e credibilidade junto da sociedade brasileira quando comparada a outras categorias organizadas. A sociedade, com esse reconhecimento, espera um protagonismo político maior dos médicos.

Nesse sentido, em palestra proferida ano passado durante fórum sobre saúde pública, no CFM, o médico e deputado federal pelo Mato Grosso do Sul, Luiz Henrique Mandetta, conclamou os presentes a incentivarem os médicos no sentido da participação mais efetiva na política brasileira. Dizia ele: se conseguíssemos eleger um médico por estado para a Câmara Federal, em 2018, potencializaríamos forças para ressuscitar e tirar do caos a saúde pública do Brasil.

Pessoalmente estou convencido de que problemas crônicos do Sistema Único de Saúde (SUS) – como (i) subfinanciamento; (ii) congelamento cruel e devastador da tabela de remuneração dos profissionais, hospitais e serviços; (iii) ausência de carreira estruturada para os milhões de trabalhadores do SUS; bem como (iv) ocorrência de gestões desastrosas (na sua maioria, baseadas em nomeações políticas descompromissadas com a qualificação técnica do gestor) – seriam melhor solucionados se tivéssemos uma bancada comprometida com o setor no Congresso Nacional.

No plano privado, é inadiável o resgate da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) do poder leonino das operadoras de planos de saúde. Vamos eleger um novo congresso com novas pessoas!

Por certo, os eleitos em 2018, diante do descrédito generalizado experimentado pela política que vem sendo cunhada ao longo desses anos, terão um papel histórico de alta relevância, ou seja, participar da elaboração da reforma do sistema político do país. Portanto, terão a chance de propor e consolidar mecanismos de prevenção à corrupção, nova estrutura partidária (hoje temos 35 partidos e outros 56 na fila de registro) e de garantir políticas no sentido do aprofundamento e da estabilização do Estado Democrático de Direito; e do princípio da dignidade do ser humano(fundamentais à liberdade, à autonomia e ao acesso à realização pessoal satisfatória pelos brasileiros).

Pelo exposto, convocamos os médicos brasileiros a se mobilizarem, de preferência, em torno de profissionais de medicina para que, eleitos deputados federais pela categoria, venham a compor a bancada da medicina. Assim, serão nossos porta-vozes para, com poder político, resgatar a caótica assistência à saúde pública e privada e restabelecer a dignidade profissional dos médicos, tão vilipendiada pelos sucessivos governos.

Jecé Freitas Brandão
2º vice-presidente do Conselho Federal de Medicina
Comentários
Seja o primeiro a comentar essa notícia.
Escreva seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Código de verificação
Outras opiniões


http://www.abmnet.org.br
@abmnet AMB, ABRAMET e CFM na campanha do Maio Amarelo https://t.co/PBa4l9wp8D https://t.co/PBa4l9wp8D
Enviado em: 23/05/2018 | 15:16:11
@abmnet Nota da ABM sobre eleições do Sindimed-BA https://t.co/vtC8uiAV08 https://t.co/vtC8uiAV08
Enviado em: 24/04/2018 | 16:56:45
@abmnet Agressão contra médicos: AMB apoia o Pl 7269/2017 https://t.co/v7lmmnNjWJ https://t.co/v7lmmnNjWJ
Enviado em: 24/04/2018 | 15:19:39
@abmnet Presidente da ABM participa do I Simpósio de Ginecologia do Hospital da Mulher https://t.co/3KrMKY3v36
Enviado em: 28/03/2018 | 20:00:02
http://www.abmnet.org.br
http://www.abmnet.org.br
INESS: Simulação Realística na Bahia
Médicos estrangeiros no Brasil. Deputado Mandeta
Tel.: 71 2107-9666
Rua Baependi, Nº 162
Ondina, Salvador - Bahia
CEP: 40170-070
2010 - 2018. ABM. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital